domingo, agosto 01, 2010

DO PRÓPRIO ABORRECIMENTO

Que guerra tão cruel trago comigo,
Comigo de quem sempre ando ferido,
Pois para nunca ser de mim vencido,
A mim comigo mesmo me persigo.

Vou contra mim se não me contradigo,
Se não me ofendo, sinto-me ofendido,
E como sou de mim tão combatido,
De mim mesmo me fiz fero inimigo.

Vejo-me contra Deus adversário,
Com cuja disciplina só me instruo,
E assim nunca comigo me conformo.

De mim mesmo me sinto tão contrário,
Que quando me reformo, me destruo
E quando me destruo, me reformo.

Baltasar Estaço
Timshel
http://1.bp.blogspot.com/_gsUALeZML10/SOhPKUydW3I/AAAAAAAAEhg/pLXNXsFVhnA/s400/EastDeanBros.jpg

(A leste do Paraíso, Elia Kazan)